Quem detém o título da civilização que mais sobreviveu?

Arqueologia & Civilizações

China, Egito, Mesopotâmia ou Romana – o título de civilização de maior duração é difícil de julgar, mas aqui estão alguns dos concorrentes.

A história testemunhou muitos impérios e civilizações surgirem e caírem. Alguns sobrevivem no máximo algumas décadas, enquanto outros se estendem por séculos. Então, quem durou mais?

À primeira vista, isso pode parecer uma pergunta simples, mas a resposta está longe disso. O principal problema aqui é que historiadores modernos discordam em relação a algumas das principais características que usaríamos para responder à pergunta. Por exemplo, é possível usarmos termos como “civilização” em todas as instâncias, e o que constitui uma? Como medimos quando uma civilização começa e termina? Considerando que muitas das civilizações históricas significativas também passaram por períodos em que foram governadas por poderes estrangeiros, elas podem ser consideradas uma entidade de longa duração ou algo completamente diferente?

O conceito de “civilização” é frustrantemente difícil de definir e aplicar de maneira significativa e comparativa, então como podemos abordar esse desafio? Bem, uma coisa que podemos procurar é evidência de cultura e tradições duradouras ao longo do tempo. Mudar o foco dessa maneira nos oferece algo um pouco mais sólido para nos apegarmos. Os exemplos a seguir são considerados as culturas de maior duração na história, mas uma avaliação de sua natureza mostrará exatamente por que o termo “civilização” é tão complicado.

Antiga e não tão antiga China

Pergunte às pessoas qual civilização elas acham que durou mais tempo e é provável que elas digam China, e com razão. Por um lado, a China possui a linguagem escrita de maior duração do mundo. Estima-se que a própria linguagem tenha sido usada por cerca de 6.000 anos, mas, de maneira ainda mais surpreendente, existem caracteres usados hoje que estão presentes em artefatos – como os ossos oraculares usados para adivinhação – que têm pelo menos 3.000 anos de idade. Não há outra cultura em outro lugar que possa ostentar uma continuidade tão forte.

No entanto, podemos comparar a China moderna ao seu antecessor antigo ou é muito dissimilar para ser considerada parte de uma única civilização longa? Se pudermos, então a China pode ser considerada com mais de 5.000 anos. De acordo com um estudo de várias décadas conduzido pela Administração Estatal de Patrimônio Cultural da China, isso certamente é o caso. Mas nem todos os historiadores concordam. Por um lado, essa afirmação tem um valor político significativo, pois ajuda a legitimar a estrutura existente da China contemporânea. Em segundo lugar, toda a região é tão vasta e composta por diferentes grupos étnicos que é difícil chamá-los de um povo homogêneo com a mesma cultura e tradições.

Antigo Egito

Outro forte concorrente para o título de “civilização de maior duração” pode ser o antigo Egito. Mas novamente, essa é uma avaliação difícil de fazer.

O Egito era um vasto reino no mundo antigo que foi unificado pela primeira vez por volta de 3100 a.C. e durou até 332 a.C., quando foi conquistado pelos macedônios. Apesar dessa mudança política, a língua permaneceu a mesma e os hieróglifos continuaram a ser usados até o século 5º século d.C. ou seja, 3.500 anos depois de terem sido desenvolvidos pela primeira vez. Isso conta como continuidade ou sinal de mudança?

Da mesma forma, alguns podem focar na religião do antigo Egito como um marcador de sua longevidade, mas isso também não foi uma expressão cultural estática. Ela mudou ao longo do tempo, junto com as pessoas que a praticavam, até ser finalmente substituída pelo cristianismo no primeiro século d.C.

Mesopotâmia

A região do Sudoeste Asiático baseada nos sistemas dos rios Tigre e Eufrates é considerada o berço da civilização. A própria palavra “Mesopotâmia” vem do antigo grego e significa “a terra entre os rios”. Foi lar de alguns dos desenvolvimentos mais significativos na história humana antiga, incluindo a invenção da roda, barcos a vela, mapas, escrita, matemática e muito mais.

Os seres humanos se estabeleceram na região na era Paleolítica e se beneficiaram dos solos ricos produzidos pelas cheias dos rios. Cerca de 12.000 anos atrás, os seres humanos que viviam lá aproveitaram essa terra no que é conhecido como a Revolução Agrícola. Em seguida, cerca de 5.000 a 6.000 anos atrás, ocorreu a revolução urbana, quando cidades maiores começaram a se formar a partir das diferentes aldeias. A primeira cidade, que remonta a cerca de 3200 a.C., foi Uruk, e acredita-se que tenha sido criada pelo povo Sumério – os Sumérios também são reconhecidos como os criadores da primeira linguagem escrita.

A história da Mesopotâmia é vasta e complicada, com uma sucessão de diferentes governantes e dinastias que tomaram o poder apenas para ceder a outros mais tarde. Isso incluiu o Império Acadiano, os Gutianos, Ur-Namma, os Babilônios, os Hititas, os Assírios e o Império Persa. Em 332 a.C., Alexandre, o Grande, conquistou a região, que depois se tornou parte do Império Seleucida Grego após sua morte.

Considerada como um todo, a Mesopotâmia pode ser vista como tendo uma história tão longa quanto a dos Antigos Egípcios, mas ao mesmo tempo, é difícil saber se isso representa um período de continuidade ou uma história de mudanças e diferentes culturas.

A civilização romana

Esta é também um dos exemplos mais significativos de uma civilização duradoura na história. O Império Romano, que teve sua fundação em 27 a.C. e durou até 476 d.C. (data convencional para a queda do Império Romano do Ocidente), é amplamente considerado como uma das civilizações mais influentes e duradouras do mundo antigo.

O Império Romano deixou um legado profundo em áreas como política, direito, arquitetura, língua, cultura e muito mais. A cidade de Roma, como seu centro, foi uma das mais importantes cidades do mundo antigo e ainda hoje é vista como um marco histórico.

Assim como nas outras civilizações mencionadas anteriormente, a questão da continuidade e mudança também se aplica ao Império Romano. Ele passou por várias fases, desde a República Romana até o Império, com diferentes líderes, governos e influências culturais. Portanto, enquanto o Império Romano certamente foi uma civilização duradoura, também enfrentou mudanças ao longo de sua história.

Identificar a civilização mais antiga é uma tarefa desafiadora devido à complexidade da definição de “civilização” e à falta de registros precisos em muitos casos. Além disso, as civilizações não surgiram de forma isolada, mas muitas vezes influenciaram e interagiram umas com as outras, tornando a linha do tempo ainda mais complexa de traçar.

As civilizações antigas, como o Antigo Egito, a Mesopotâmia, a China e o Império Romano, têm contribuições significativas para a história da humanidade em termos de desenvolvimentos culturais, científicos, tecnológicos e sociais. A busca pela civilização mais antiga muitas vezes reflete o desejo de entender nossas origens, rastrear a evolução da sociedade humana e reconhecer as bases sobre as quais a nossa própria cultura se desenvolveu.

No entanto, a importância de determinar a civilização mais antiga não é apenas acadêmica. Essa busca pode ter implicações políticas, culturais e nacionais, pois as narrativas históricas muitas vezes moldam a identidade de um país ou povo. Reivindicar ser a civilização mais antiga pode ser usado como um símbolo de prestígio e legitimidade. Portanto, essa busca não é apenas sobre uma curiosidade histórica, mas também sobre o poder simbólico e a construção da identidade cultural e nacional.

No final das contas, em muitos casos, é difícil afirmar definitivamente qual civilização é a mais antiga, porque a evolução da sociedade humana não é uma linha reta, mas um emaranhado complexo de interações, mudanças e influências ao longo do tempo. O mais importante é reconhecer que todas essas civilizações contribuíram para a história e para o desenvolvimento humano, independentemente de qual delas seja considerada a mais antiga.

Qual é a nossa civilização de hoje?

Hoje, somos uma única civilização global, conectada por avanços tecnológicos, comunicações instantâneas e interdependências econômicas. As implicações desse fenômeno são profundas e abrangentes. A convergência das culturas, ideias e valores em uma escala global está moldando um novo paradigma no qual as fronteiras tradicionais entre civilizações estão se diluindo.

Essa unicidade traz consigo oportunidades e desafios. Por um lado, a troca de conhecimento e experiências culturais enriquece nossa compreensão do mundo e promove a colaboração global em áreas como ciência, inovação e cooperação humanitária. Por outro lado, a homogeneização cultural pode ameaçar a diversidade cultural e local, assim como desafiar identidades culturais arraigadas.

Além disso, a interconectividade global traz à tona a necessidade de abordar questões globais urgentes, como as mudanças climáticas, desigualdades econômicas e conflitos regionais. Esses desafios transcendentais exigem uma abordagem colaborativa e coordenada, pois as ações em uma parte do mundo têm impacto em todo o planeta.

Em resumo, a transição para uma única civilização global reflete a evolução da humanidade em direção a um mundo mais interconectado e interdependente. Embora apresente complexidades e desafios, também oferece a oportunidade de aproveitar nosso potencial coletivo para enfrentar desafios globais e criar um futuro mais sustentável e inclusivo.


1 thought on “Quem detém o título da civilização que mais sobreviveu?

  1. I’ve been absent for a while, but now I remember why I used to love this blog. Thanks , I¦ll try and check back more frequently. How frequently you update your site?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *