Primeiro robô humanoide produzido em massa do mundo?

Tecnologia

A startup chinesa Fourier Intelligence mira em robôs de duas pernas com cérebros de inteligência artificial.

Quando a empresa Fourier Intelligence revelou seu robô humanoide esguio e negro, o GR-1, na Conferência Mundial de Inteligência Artificial (WAIC) em Xangai em julho, ele instantaneamente roubou a cena. Enquanto a comunidade global de tecnologia esteve focada em software de inteligência artificial desde o lançamento do ChatGPT da OpenAI em novembro, o GR-1 de fabricação chinesa – supostamente capaz de andar sobre duas pernas a uma velocidade de 5 km/h carregando uma carga de 50 kg – lembrou as pessoas do potencial de robôs bípedes, que estão sendo buscados por empresas globais, desde a Tesla até a Xiaomi. Para a Fourier, uma startup sediada em Xangai, o GR-1 foi um triunfo improvável.

“É uma tentativa sem precedentes por parte de nós – mal tínhamos qualquer referência quando se tratava da tecnologia”, disse Alex Gu, fundador e CEO da Fourier, em uma entrevista recente ao South China Morning Post na capital financeira chinesa.

O foco da Fourier nem sempre esteve em robôs humanoides. Batizada em homenagem ao matemático e físico francês do século XIX, Joseph Fourier, a empresa foi originalmente fundada em 2015 no polo tecnológico Zhangjiang de Xangai com o objetivo de desenvolver robótica de reabilitação.

Os produtos atuais da empresa incluem uma bicicleta inteligente de exercícios, uma luva robótica sem fio e uma série de dispositivos guiados por computador que auxiliam os usuários a restaurar movimentos em seus braços e pernas.

No entanto, assim como muitos de seus colegas, Alex Gu, de 42 anos, formado em engenharia mecânica pela Universidade Jiao Tong de Xangai, há muito tempo sonhava em criar seu próprio robô humanoide.

Assim, em 2019, depois que a Fourier introduziu seus dispositivos inteligentes de reabilitação em centenas de hospitais e centros de cuidados médicos em mais de 10 países e se estabeleceu na indústria, Gu decidiu que era hora de iniciar um novo empreendimento.

Naquela época, poucas empresas no mundo haviam lançado com sucesso um robô humanoide devido à alta barreira tecnológica e aos custos de desenvolvimento. Nos EUA, havia alguns projetos, incluindo o Atlas da Boston Dynamics, a empresa conhecida por seu cão-robô Spot, e o Digit da Agility Robotics.

Cão-robô Spot da Boston Dynamics (esquerda) e seu robô humanóide Atlas (direita).

Na China, a maioria das empresas optou por dedicar seus esforços a produtos leves, como robôs de quatro patas. Gu achou que poderia fazer melhor.

“Várias tecnologias usadas em robôs de reabilitação são essencialmente aplicáveis a robôs humanoides”, disse Gu. “Robôs humanoides requerem motores muito bons que sejam poderosos e leves, e somos capazes de desenvolvê-los por conta própria.”

Alex Gu, fundador e CEO da Fourier Intelligence. Foto: Divulgação

O GR-1 nasceu em um pequeno laboratório no primeiro andar da sede da Fourier, onde um grupo de engenheiros estava ocupado refinando e testando o robô quando um repórter os visitaram. A equipe alcançou uma grande conquista em 2022 – três anos após o início do projeto – quando conseguiu fazer o robô de 1,65 metros de altura se erguer nas duas pernas e caminhar.

“Quando o vimos em pé pela primeira vez, desligado e andando sozinho, foi um grande incentivo para todos os nossos engenheiros”, disse Gu. “Sentiu-se como criar um bebê recém-nascido.”

Mais tarde, a Fourier publicou um vídeo online do GR-1 andando, recebendo elogios de muitos espectadores, mas também bastante ceticismo.

“Alguns espectadores no exterior disseram que o vídeo era gerado por computador”, disse Gu. “Eu entendo que o campo ainda está em estágio inicial e que as pessoas terão opiniões diferentes, assim como algumas argumentaram há 20 anos se os veículos elétricos seriam capazes de circular nas estradas.”

Além dos desafios técnicos, pesquisadores e especialistas em robótica alertaram que as empresas ainda enfrentam dificuldades enormes para comercializar robôs humanoides no mercado consumidor em geral.

“Os robôs humanoides em sua maioria ainda estão nos laboratórios e são extremamente caros”, disse Zhang Xiaorong, diretor do instituto de pesquisa chinês Shendu Technology. “Uma máquina de qualidade relativamente alta pode custar milhões de yuan.”

Esses problemas não impediram as empresas de tentar.

Em agosto de 2022, Lei Jun, fundador da gigante chinesa de smartphones Xiaomi, exibiu no palco o primeiro robô humanoide da empresa, o CyberOne, que parecia ser capaz de caminhar, mas não muito mais além disso.

Menos de dois meses depois, Elon Musk, o bilionário fundador da Tesla, revelou um protótipo de seu aguardado robô Optimus durante o AI Day da empresa. Ele andou e dançou ao vivo no palco. A plateia também viu um vídeo do robô realizando tarefas como carregar uma caixa e mover barras de metal.

Musk disse na conferência WAIC do mês passado que o Optimus não tinha a intenção de “possuir grande inteligência”, mas de ajudar os seres humanos com “tarefas chatas, repetitivas ou perigosas”.

Gu disse que compartilha visões semelhantes com Musk, mas acrescentou que os robôs “também podem se tornar bons amigos dos humanos, fornecendo valor emocional”.

Embora os robôs humanoides atuais ainda tenham “grandes lacunas em relação aos humanos tanto em movimento quanto em capacidade cognitiva”, o desenvolvimento de grandes modelos de linguagem (LLM) – o tipo de software que sustenta chatbots de IA como o ChatGPT – poderia ser “mudança de época”, segundo Gu.

“Os LLMs darão aos robôs a capacidade de raciocínio lógico, tornando-os muito mais parecidos com humanos”, disse Gu.

Um engenheiro da Fourier Intelligence testa a capacidade de autoequilíbrio do robô humanoide da empresa. Foto: Divulgação

Enquanto Gu enfatizou que a Fourier se concentrará no desenvolvimento do hardware que compõe o “corpo” dos robôs e deixará os desenvolvedores de IA trabalharem no “cérebro”, Zen Koh, co-fundador e diretor de estratégia da Fourier, disse que algumas empresas de IA já entraram em contato para possíveis colaborações em LLMs.

“Estamos esperando trabalhar com todas as principais e … como sistema, sermos abertos”, disse Koh.

O robô GR-1 já foi entregue em pequenas quantidades para algumas universidades e empresas de IA para pesquisa e desenvolvimento, de acordo com Gu. Ele planeja iniciar a produção em massa até o final do ano e entregar milhares de unidades em 2024.

No ano passado, Musk também afirmou que a produção poderia começar em 2023.

Gu espera que os robôs humanoides da Fourier, que segundo ele têm grande potencial em diversos cenários, incluindo cuidados com idosos, educação e recepção de convidados, gerem mais receita do que seus robôs de reabilitação nos próximos três a cinco anos.

Ainda assim, há um longo caminho a percorrer antes que os robôs humanoides façam parte de nossas vidas diárias, ele disse.

“Não espere um milagre em um ano ou algo assim – mesmo para a Tesla, temos que dar a eles tempo [para alcançar a produção em massa de robôs humanoides]”, disse Gu.

“Mas também, não subestime a possibilidade de que essa coisa possa fazer parte da vida familiar das pessoas em cinco ou 10 anos.”


2 thoughts on “Primeiro robô humanoide produzido em massa do mundo?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *