O DNA do cabelo de Beethoven revela uma surpresa quase 200 anos depois.

Ciência

Em uma segunda-feira tempestuosa de março de 1827, o compositor alemão Ludwig von Beethoven faleceu após uma doença prolongada. Acamado desde o Natal anterior, ele foi atacado por icterícia, com seus membros e abdômen inchados, cada respiração uma luta.

Enquanto seus associados se ocupavam da tarefa de ordenar pertences pessoais, eles descobriram um documento que Beethoven havia escrito um quarto de século antes – um testamento suplicando a seus irmãos que tornassem detalhes de sua condição conhecidos pelo público.

Hoje não é segredo que um dos maiores músicos que o mundo já conheceu estava funcionalmente surdo em seus meados dos 40 anos. Foi uma trágica ironia que Beethoven desejava que o mundo o entendesse, não apenas do ponto de vista pessoal, mas também médico.

O compositor sobreviveria a sua efermidade por quase duas décadas, mas dois séculos após a morte de Beethoven, uma equipe de pesquisadores se propôs a cumprir seu testamento de maneiras que ele nunca poderia ter imaginado, analisando geneticamente o DNA em amostras autenticadas de seu cabelo.

“Nosso objetivo principal era lançar luz sobre os problemas de saúde de Beethoven, que incluíam famosamente a perda auditiva progressiva, começando em meados até o final de seus 20 anos, e eventualmente levando-o a ser funcionalmente surdo até 1818”, diz o bioquímico Johannes Krause do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva na Alemanha.

A causa principal dessa perda auditiva nunca foi conhecida, nem mesmo para seu médico pessoal, o Dr. Johann Adam Schmidt. O que começou como zumbido em seus 20 anos lentamente deu lugar a uma tolerância reduzida a ruídos altos e, eventualmente, a uma perda auditiva nos tons mais altos, encerrando efetivamente sua carreira como artista intérprete ou executante.

Para um músico, nada poderia ser mais irônico. Em uma carta endereçada a seus irmãos, Beethoven admitiu que estava “irremediavelmente afligido”, a ponto de contemplar o suicídio.

Não foi apenas a perda auditiva que o compositor teve que lidar em sua vida adulta. Desde pelo menos os 22 anos, ele sofreu dores abdominais severas e episódios crônicos de diarreia.

Seis anos antes de sua morte, as primeiras indicações de doença hepática surgiram, uma doença que se pensa ter sido, pelo menos em parte, responsável por sua morte na relativamente jovem idade de 56 anos.

Em 2007, uma investigação forense sobre uma mecha de cabelo que se acreditava ser de Beethoven sugeriu que o envenenamento por chumbo poderia ter acelerado sua morte, se não tivesse sido o responsável pelos sintomas que tiraram sua vida.

Dada a cultura de beber em recipientes de chumbo e os tratamentos médicos da época que envolviam o uso de chumbo, essa conclusão dificilmente seria surpreendente.

No entanto, este último estudo desacredita essa teoria, revelando que o cabelo nunca pertenceu a Beethoven em primeiro lugar, mas sim a uma mulher desconhecida.

Mais importante ainda, várias mechas confirmadas como sendo muito mais prováveis de serem do cabelo do compositor demonstram que sua morte provavelmente foi resultado de uma infecção por hepatite B, exacerbada pelo consumo de álcool e vários fatores de risco para doenças hepáticas.

E quanto a suas outras condições?

“Não fomos capazes de encontrar uma causa definitiva para a surdez de Beethoven ou seus problemas gastrointestinais”, diz Krause.

Uma mecha autêntica do cabelo de Beethoven, afixada em uma carta datada de 1827 e fotografada em 2018 pelo membro da American Beethoven Society, Kevin Brown. (Begg et al., Current Biology, 2023)

De certa forma, restam mais perguntas sobre a vida e a morte do famoso compositor clássico. Onde ele contraiu hepatite? Como um fio de cabelo de mulher passou como sendo de Beethoven por séculos? E o que estava por trás de suas dores abdominais e perda auditiva?

Dado que a equipe foi inspirada pelo desejo de Beethoven de que o mundo entendesse sua perda auditiva, é um desfecho infeliz. No entanto, havia uma surpresa a mais escondida entre seus genes.

Investigações adicionais comparando o cromossomo Y nas amostras de cabelo com aqueles de parentes modernos descendentes da linha paterna de Beethoven apontam para uma incompatibilidade. Parece que ocorreu um pouco de relacionamento extraconjugal nas gerações que antecederam o nascimento do compositor.

“Esse achado sugere um evento de paternidade fora do casamento na linha paterna, entre a concepção de Hendrik van Beethoven em Kampenhout, Bélgica, por volta de 1572, e a concepção de Ludwig van Beethoven, sete gerações depois em 1770, em Bonn, Alemanha”, diz Tristan Begg, um antropólogo biológico agora na Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

Isso tudo pode ter sido um pouco mais do que um jovem Beethoven esperava, considerando o pedido fatal que ele colocou no papel. Ele nunca imaginaria os segredos que estavam sendo preservados enquanto seus amigos e associados cortavam o cabelo de seu corpo na sequência daquela sombria noite de segunda-feira chuvosa em 1827.

Essa pesquisa foi publicada na revista Current Biology.


1 thought on “O DNA do cabelo de Beethoven revela uma surpresa quase 200 anos depois.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *