NASA finalmente admite o que todos já sabem: o SLS não é financeiramente viável

Indústria Espacial

“Aos níveis de custo atuais, o programa SLS é insustentável.”

Em um novo relatório, o departamento federal encarregado de analisar quão eficientemente o dinheiro dos contribuintes dos EUA é gasto, o Government Accountability Office, afirma que a NASA carece de transparência quanto aos verdadeiros custos de seu programa de foguetes Space Launch System.

Publicado na quinta-feira, o novo relatório examina os bilhões de dólares gastos pela NASA no desenvolvimento do enorme foguete, que fez um lançamento de estreia bem-sucedido no final de 2022 com a missão Artemis I. Surpreendentemente, como parte do processo, funcionários da NASA admitiram que o foguete era muito caro para sustentar seus esforços de exploração lunar como parte do programa Artemis.

“Funcionários sênior da NASA informaram ao GAO que, nos níveis de custo atuais, o programa SLS é insustentável”, afirma o novo relatório.

Ferramentas inadequadas para entender os custos reais

O Government Accountability Office expressou sérias preocupações com a decisão da NASA de não medir os custos de produção dos elementos do foguete SLS, incluindo os estágios centrais e os motores de foguete necessários para lançamentos futuros. Em vez disso, a NASA informou aos autores do relatório que planeja ‘monitorar os custos de produção e a acessibilidade do programa SLS por meio da estimativa de custos de produção e operações de cinco anos’.

No entanto, o relatório afirma que essas são ‘ferramentas inadequadas’ para uma linha de base de custos para o programa de foguetes SLS e tornarão difícil para os contribuintes medir os custos e o desempenho da NASA e de seus contratados ao longo do tempo. Além disso, o relatório indica que a NASA não atualizou regularmente suas estimativas de custos de produção de cinco anos para o foguete. O relatório também cita preocupações com os custos de desenvolvimento de futuros equipamentos para o grande programa de foguetes da NASA, incluindo o Exploration Upper Stage.

Outro problema com as estimativas de custos da NASA é que não parecem considerar atrasos nas missões Artemis. É provável que a missão Artemis II, um voo tripulado ao redor da Lua, seja lançada não antes de 2025. A missão Artemis III com pouso tripulado provavelmente será adiada para pelo menos 2026, se não mais, com a possibilidade de atrasos adicionais. Pelo menos um funcionário da NASA aparentemente informou ao Government Accountability Office que esses atrasos não teriam impacto nos custos, o que parece altamente improvável.”

“Alguns funcionários da NASA nos disseram que as mudanças nas datas das missões Artemis não deveriam afetar a estimativa de custos do programa SLS”, afirma o relatório. “Outros funcionários observaram que seria de se esperar que a estimativa de custos do programa aumentasse para considerar o atraso na missão Artemis IV, que passou de 2026 para 2028.”

Como reduzir custos insustentáveis

Funcionários da NASA entrevistados pelo Government Accountability Office reconheceram preocupações com os custos do foguete SLS.

“A NASA reconhece a necessidade de melhorar a acessibilidade do programa SLS e está tomando medidas para fazê-lo”, afirma o relatório. “Altos funcionários da agência nos disseram que, nos níveis de custos atuais, o programa SLS é insustentável e excede o que os funcionários da NASA acreditam que estará disponível para suas missões Artemis.”

Funcionários da agência espacial disseram que têm um plano de quatro etapas para reduzir os custos do programa SLS ao longo do tempo:

  1. Estabilizar o cronograma de voos
  2. Alcançar eficiências na curva de aprendizado
  3. Incentivar a inovação
  4. Ajustar estratégias de aquisição para reduzir o risco de custos

Deixando de lado que alguns desses objetivos soam suspeitosamente como jargão corporativo, o relatório deixa claro que esses são objetivos aspiracionais por enquanto. “No entanto, a NASA ainda não identificou metas específicas de economia de custos em nível de programa que espera alcançar”, escrevem os autores. “A NASA fez algum progresso na implementação dessas estratégias, mas ainda é cedo para avaliar completamente seu efeito sobre os custos.”

A NASA realmente pode controlar os custos?

Embora a NASA mereça crédito por falar sobre o custo excessivo do foguete SLS – um fato que tem sido apontado por críticos há mais de uma década, mas em grande parte ignorado por funcionários da NASA e líderes do Congresso – não está de forma alguma claro que eles serão capazes de controlar os custos. Por exemplo, a NASA recentemente afirmou que está trabalhando com o principal contratante dos motores principais do foguete SLS, a Aerojet, para reduzir o custo de cada motor em 30%, para US$ 70,5 milhões até o final desta década.

No entanto, o inspetor-geral da NASA, Paul Martin, disse que essa alegação é duvidosa. Segundo Martin, ao calcular as economias de custo projetadas dos novos motores RS-25, a NASA e a Aerojet incluíram apenas o material, o suporte de engenharia e a mão de obra direta, enquanto os custos de gerenciamento de projeto e despesas gerais foram excluídos.

E mesmo a US$ 70,5 milhões, esses motores estão muito, muito longe de serem acessíveis em comparação com o mercado comercial dos EUA existente para motores de foguetes poderosos. A Blue Origin fabrica um motor de potência e tamanho comparáveis, o BE-4, por menos de US$ 20 milhões. E a SpaceX está buscando reduzir ainda mais os custos do motor de foguete Raptor, de potência similar, para menos de US$ 1 milhão por motor.

Fonte: ArsTechnica / Eric Berger

https://arstechnica.com/space/2023/09/nasa-finally-admits-what-everyone-already-knows-sls-is-unaffordable/


3 thoughts on “NASA finalmente admite o que todos já sabem: o SLS não é financeiramente viável

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *