Há 39 anos, um emocionante clássico de ficção científica mudou tudo discretamente

Filmes e Séries Sci-fi

E se um jogo de fliperama realmente ensinasse você a ser bom em alguma coisa? Essa premissa simples, mas de alto conceito, é toda a base sobre a qual várias fantasias de realização de desejos são construídas. Não, horas intermináveis de jogo não estão o fazendo perder tempo – você está treinando para fazer algo incrível! Enquanto Tron imaginava que as habilidades dos jogadores dos anos 80 poderiam ser usadas em um mundo virtual, “The Last Starfighter” levou isso para o próximo nível: alguns jogos de fliperama são na verdade dispositivos de recrutamento, criados por uma liga interestelar de planetas para ver quem tem o material certo. E em 13 de julho de 1984, The Last Starfighter não apenas executou essa premissa maravilhosa perfeitamente, mas previu inteiramente a próxima fase para filmes de grande sucesso.

Trinta e nove anos após seu lançamento, uma das verdades mais estranhas sobre “The Last Starfighter” é que ele saiu antes de “Back to the Future”. Este é um daqueles paradoxos dos anos 80 que é verdade: De volta para o Futuro chegou aos cinemas em 3 de julho de 1985, mas um ano antes, The Last Starfighter, em 13 de julho de 1984 chegou sem chamar muita atenção . No entanto The Last Starfighter executa a fórmula de ficção científica dos anos 80 tão perfeitamente que parece ter sido influenciado por Back to the Future. Tem até um carro voador, com portas que abrem como um DeLorean!

O filme foi realizado em menos de dois meses – apenas 38 dias no total – mas apresentava uma orquestra importante, uma trilha sonora de Craig Safan, que rivalizava com Star Wars. Nosso jovem herói, Alex Rogan (Lance Guest) está preso em um estacionamento de trailers, mas o escopo é galáctico. The Last Starfighter é um daqueles grandes filmes de ficção científica dos anos 80 que parecem um filme independente e um estúdio esgotado ao mesmo tempo. E o sucesso do filme se resume essencialmente a dois componentes: o filme tem muito coração e seus efeitos especiais são tão surreais e únicos que é chocante como consideramos esse tipo de coisa como algo sensacional agora.

Resumidamente, caso já tenha passado muito tempo, The Last Starfighter é sobre Alex, um recém-formado do ensino médio sem sorte, que quer ir para a faculdade, mas continua sendo rejeitado. Ele tem exemplares da Playboy escondidos embaixo do colchão e, como estamos nos anos 80, seu irmão mais novo, Louis, está sempre tentando dar uma olhada neles. Alex é um cara legal, e todos no parque de trailers o amam porque ele não é um um idiota. Guest interpreta Alex com afabilidade genuína, canalizando Mark Hamill em Star Wars ’77, mas sem as lamentações. Essencialmente, Alex é como Luke Skywalker seria se ele fosse real, nos anos 80, mas com um toque de magia dos comtos de fadas. Então, quando ele quebra o recorde de um jogo de fliperama chamado “Starfighter” e descobre que na verdade é, aquela era uma ferramenta de recrutamento para uma armada espacial real, você já está torcendo por ele.

Pegando emprestado o tipo de lógica em que Doctor Who frequentemente se baseia; The Last Starfighter postula que há apenas um bando de alienígenas bípedes por aí que parecem, em graus variados, como humanos com cortes de cabelo engraçados, ou são alienígenas lagartos, ou têm tentáculos faciais, ou o que seja, o filme inclui todos esses tipos de ficção científica – incluindo a ideia de tradução instantânea de idiomas – muito rapidamente. Tão rapidamente, na verdade, que você mal percebe que algumas das instruções de como destruir os vilões parecem totalmente roubadas de Star Wars Uma Nova Esperança.

Mas eis o seguinte: The Last Starfighter pode fazer muito de sua estrutura parecer Star Wars’77, e o motivo é simples: a premissa deste filme diz: Sim, mas e se isso estivesse acontecendo lá na galáxia real , agora mesmo? Esse conceito nos leva ao segundo grande motivo pelo qual The Last Starfighter é tão influente: os efeitos visuais.

Em vez de tentar criar uma paisagem espacial fotorrealista, The Last Starfighter torna os visuais do espaço sideral gerados por computador, e obviamente na época, além de Tron, ninguém havia realmente feito efeitos visuais controlados por computador para um longa-metragem como este. A diferença, claro, é que em Tron, a estética do videogame combina com o fato de os personagens estarem literalmente em uma matriz de computador. Em The Last Starfighter, os efeitos visuais gerados por computador devem representar o “mundo real”, ou seja, devemos pensar que é assim que o espaço sideral se parece nesta realidade.

Na verdade isso funciona e o filme realmente envelheceu lindamente! Primeiro, o design da espaçonave Gunstar é incrível. Em segundo lugar, os efeitos criam uma sensação de surrealidade que apenas torna o resto da construção do mundo mais palatável. O diretor do Starfighter, Nick Castle, claramente não estava indo para o “realismo” com esses efeitos. Em vez disso, os efeitos combinam com o tom do filme. E com o passar dos anos, esses efeitos suaves e únicos de naves espaciais só se tornaram mais artísticos e ousados. O filme envelheceu graciosamente, não porque seu CGI parece primitivo, mas porque a arte com a qual é usado é nova e implantada de maneira inteligente. Ao contrário de alguns grandes blockbusters recentes, seu CGI se sente parte da história e não tem vergonha de ser reconhecido como irreal.

Desta forma, The Last Starfighter representa algo que muitos filmes contemporâneos de ficção científica de grande sucesso esqueceram: os efeitos visuais não precisam ser convincentes por si só, eles só precisam parecer novos e únicos. E mais importante do que isso, os efeitos precisam corresponder à história e, nesse departamento, The Last Starfighter é um em um milhão.

The Last Starfighter está disponível para aluguel no iTunes, Amazon e outros lugares.

1 thought on “Há 39 anos, um emocionante clássico de ficção científica mudou tudo discretamente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *