Boas notícias para a vida: os rios de Marte fluíam por longos trechos há muito tempo

Astronomia Busca pela vida

Alguns rios no antigo Marte fluíam por trechos longos o suficiente para criar ambientes habitáveis de no Planeta Vermelho, sugere um novo estudo.

Uma nova técnica desenvolvida por geólogos do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) faz uso de imagens de satélite para investigar rios alienígenas, sua taxa de fluxo e como eles movem fluidos e sedimentos pela superfície de seus mundos natais. Sabe-se que apenas dois outros mundos no sistema solar abrigaram rios: Marte, onde a água fluiu bilhões de anos atrás, e a lua de Saturno, Titã, onde rios de metano ainda correm hoje.

A equipe do MIT aplicou a técnica para calcular a velocidade e a profundidade dos rios em regiões selecionadas de Marte no passado distante. Eles descobriram que os rios possivelmente fluíram por pelo menos 100.000 anos na Cratera Gale e por pelo menos 1 milhão de anos na Cratera Jezero , as regiões atualmente sendo investigadas pelos rovers Curiosity e Perseverance da NASA, respectivamente. Isso é potencialmente longo o suficiente para permitir o desenvolvimento e suporte à vida, disseram os membros da equipe do estudo.

A equipe então aplicou o mesmo processo a Titã, fazendo estimativas semelhantes, apesar da espessa atmosfera da maior lua de Saturno e sua maior distância da Terra.

“O que é empolgante sobre Titã é que ele é ativo. Com essa técnica, temos um método para fazer previsões reais para um lugar onde não obteremos mais dados por muito tempo”, disse Taylor Perron, membro da equipe e professor do Departamento de Ciências da Terra, Atmosféricas e Planetárias do MIT, em comunicado. “E em Marte, isso nos dá uma máquina do tempo para pegar os rios que estão mortos agora e ter uma noção de como eles eram quando estavam fluindo ativamente”.

Imagens da missão Cassini da NASA mostram redes de rios de hidrocarbonetos drenando para lagos na região polar norte de Titã, a maior lua de Saturno. (Crédito da imagem: NASA/JPL/USGS/Robert Lea)

A equipe se inspirou para desenvolver a nova técnica quando ficou intrigada com as imagens dos rios de Titã capturadas pela sonda Cassini da NASA.

Essas imagens demonstraram uma curiosa falta de deltas em forma de leque na foz da maioria dos rios dessa lua, como são encontrados na foz de muitos rios aqui na Terra. Esses deltas são construídos de sedimentos transportados por rios. A ausência deles em Titã pode ter indicado que os rios de hidrocarbonetos na lua de Saturno não fluem com força suficiente para transportar sedimentos, ou que os sedimentos estão ausentes dos fluxos dos rios.

Para investigar se esse é o caso, a equipe adaptou equações que relacionam parâmetros físicos como largura, profundidade e inclinação do rio com a vazão, levando em conta variáveis como a gravidade atuando no rio e o tamanho e densidade do sedimento que está sendo empurrado ao longo do leito do rio.

“Isso significa que rios com gravidade e materiais diferentes devem seguir relações semelhantes”, explicou Perron. “Isso abriu a possibilidade de aplicar isso a outros planetas também.”

Impressão artística do grande lago que outrora encheu a Cratera Jezero de Marte. (Crédito da imagem: NASA/JPL-Caltech)

Indo com o fluxo em Marte

Quando a nova técnica é usada aqui na Terra, os geólogos podem fazer medições das características do rio exigidas por essas equações para prever com precisão a vazão de um rio ou quanta água e sedimentos ele pode mover rio abaixo.

Obviamente, isso se torna instantaneamente mais desafiador ao estudar rios fora do mundo, com esses dados limitados para Marte e Titã. Os dados foram coletados de Marte por satélites, incluindo imagens e estimativas de elevação, com várias missões orbitais capturando imagens de alta resolução do planeta, mas essas observações de Titã são raras.

O membro da equipe e pós-doutorando do MIT, Samuel Birch, percebeu que as equações usadas para modelar o fluxo do rio poderiam ser adaptadas para que apenas os dados de largura e inclinação de um rio, disponíveis por meio de imagens remotas e topografia, pudessem ser usados para fornecer um resultado.

Este método modificado baseado em equações foi então testado por Birch com quase 500 rios na Terra, com o método revisado fornecendo previsões precisas.

As equações foram então aplicadas a Marte e aos antigos leitos dos rios encontrados nas crateras Gale e Jezero, que se acredita serem antigos leitos de lagos que transbordaram de água bilhões de anos atrás. As previsões foram comparadas com medições de campo de tamanho de grão de sedimento coletadas por Curiosity e Perseverance. Isso ajudou a verificar a precisão da técnica em rios distantes da Terra.

A enorme lua de Saturno, Titã, parece um pouco com a Terra de longe, mas é muito diferente do nosso planeta. (Crédito da imagem: NASA/JPL/Universidade do Arizona)

Aprendendo mais sobre os rios de metano de Titã

Os cientistas então aplicaram o novo método e suas equações revisadas a dois locais específicos em Titã, onde as encostas dos rios podem ser medidas. Isso incluiu um rio que flui para um lago de metano do tamanho do Lago Ontário, que também é o local de um dos únicos deltas de rio em Titã, que flui quase tão fortemente quanto o Mississippi aqui na Terra.

A equipe então comparou o fluxo de metano neste rio Titã, que possui um delta, com um que não apresenta tal característica. Os pesquisadores descobriram que este último rio Titã fluiu quase tão fortemente, apesar de não mostrar sinais de acúmulo de sedimentos em forma de leque. Isso indicou que deve haver outra razão pela qual a maioria dos rios em Titã não possui deltas.

A equipe também descobriu que os rios que transportam metano em Titã devem ser mais largos e ter uma inclinação mais suave do que os rios que transportam o mesmo fluxo de água na Terra ou em Marte.

“Titã é o lugar mais parecido com a Terra”, concluiu Birch. “Só tivemos um vislumbre disso. Há muito mais que sabemos que está lá embaixo, e essa técnica remota está nos aproximando um pouco mais.”

A pesquisa da equipe foi publicada online na segunda-feira (10 de julho) na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Fonte: Space.com

https://www.space.com/ancient-mars-rivers-flowed-long-stretcheshes

1 thought on “Boas notícias para a vida: os rios de Marte fluíam por longos trechos há muito tempo

  1. This web site is really a walk-through for all of the info you wanted about this and didn’t know who to ask. Glimpse here, and you’ll definitely discover it.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *