Boas notícias para a caça à vida alienígena: oceanos sob o gelo podem ser comuns em exoplanetas gelados

Astronomia Busca pela vida

“Isso aumenta significativamente as chances de encontrar ambientes onde a vida poderia, em teoria, se desenvolver.”

As chances de encontrar vida alienígena podem ter aumentado significativamente.

Uma nova análise de exoplanetas sugere que há uma chance muito maior do que se pensava de que esses mundos hospedem água líquida, um ingrediente essencial para a vida na Terra.

O universo poderia, portanto, ser preenchido com mais planetas habitáveis do que os cientistas acreditavam anteriormente, com uma chance maior de esses mundos possuírem ambientes nos quais a vida alienígena pudesse se desenvolver, mesmo que tivessem conchas externas geladas.

“Sabemos que a presença de água líquida é essencial para a vida. Nosso trabalho mostra que essa água pode ser encontrada em lugares que não consideramos muito”, disse Lujendra Ojha, líder da pesquisa e cientista da Rutgers University, em comunicado. “Isso aumenta significativamente as chances de encontrar ambientes onde a vida poderia, em teoria, se desenvolver”.

Ojha e seus colegas descobriram que mesmo exoplanetas com superfícies congeladas podem ter oceanos subterrâneos de água líquida.

“Antes de começarmos a considerar essa água subterrânea, estimava-se que cerca de um planeta rochoso [em] cada 100 estrelas teria água líquida”, explicou Ojha. “O novo modelo mostra que, se as condições forem adequadas, isso pode se aproximar de um planeta por estrela. Portanto, temos 100 vezes mais chances de encontrar água líquida do que pensávamos.”

Como existem cerca de 100 bilhões de estrelas na Via Láctea, “isso representa chances muito boas para a origem da vida em outras partes do universo”, acrescentou.

Lua de Saturno Enceladus. Exoplanetas de gelo e luas podem ter oceanos profundos habitados

Como os mundos gelados poderiam manter a água líquida?

Os pesquisadores investigaram planetas encontrados em torno do tipo mais comum de estrelas em nossa galáxia, as anãs vermelhas, que são menores e mais frias que o sol. Não só as anãs vermelhas, também conhecidas como anãs M, constituem cerca de 70% das estrelas da Via Láctea, mas também são as estrelas em torno das quais a maioria dos mundos rochosos semelhantes à Terra foi encontrada.

A equipe considerou duas maneiras pelas quais os planetas rochosos com uma camada de gelo poderiam ser aquecidos por baixo, permitindo-lhes manter a água líquida subterrânea, a primeira das quais é evidente aqui na Terra.

“Como terráqueos, temos sorte no momento porque temos a quantidade certa de gases de efeito estufa em nossa atmosfera para tornar a água líquida estável na superfície. No entanto, se a Terra perdesse seus gases de efeito estufa, a temperatura média global da superfície seria de aproximadamente 18 graus Celsius negativos [menos 0,4 graus Fahrenheit] e a maior parte da água líquida da superfície congelaria completamente”, explicou Ojha. “Alguns bilhões de anos atrás, isso realmente aconteceu em nosso planeta, e a água líquida da superfície congelou completamente. No entanto, isso não significa que a água era completamente sólida em todos os lugares.”

A água líquida foi preservada naquela época da história da Terra pelo aquecimento na forma de radioatividade das profundezas do planeta.

“O calor da radioatividade nas profundezas da Terra pode aquecer a água o suficiente para mantê-la líquida”, disse Ojha. “Ainda hoje vemos isso acontecendo em lugares como a Antártica e o Ártico canadense, onde, apesar da temperatura gelada, existem grandes lagos subterrâneos de água líquida, sustentados pelo calor gerado pela radioatividade.”

O pesquisador disse que há evidências que sugerem que o aquecimento via radioatividade também pode estar acontecendo atualmente perto do pólo sul de Marte.

“Modelamos a viabilidade de gerar e sustentar água líquida em exoplanetas orbitando anãs M considerando apenas o calor gerado pelo planeta”, disse Ojha. “Descobrimos que, quando se considera a possibilidade de água líquida gerada por radioatividade, é provável que uma alta porcentagem desses exoplanetas possa ter calor suficiente para sustentar água líquida – muito mais do que pensávamos”.

Outro possível mecanismo de aquecimento que poderia ajudar a manter a água líquida abaixo de uma concha planetária congelada sugerida pela equipe surge como resultado da influência gravitacional de um corpo maior, fazendo com que o interior de um mundo externo congelado se agite sem parar. Isso também é algo evidente em outras partes do nosso sistema solar.

“Algumas das luas que você encontra no sistema solar, por exemplo, Europa ou Encéladus, têm água líquida subterrânea substancial, mesmo que suas superfícies estejam completamente congeladas”, apontou Ojha, referindo-se às luas geladas de Júpiter e Saturno, respectivamente.

“Isso ocorre porque seu interior é continuamente agitado pelos efeitos gravitacionais dos grandes planetas que orbitam, como Saturno e Júpiter”, acrescentou. “Isso é semelhante ao efeito da nossa lua nas marés, mas muito, muito mais forte mesmo.”

Esse efeito não apenas tornou Europa e Enceladus os principais candidatos para encontrar vida em outras partes do sistema solar, mas também tem implicações para ambientes de manutenção de vida em mundos que orbitam outras estrelas.

A NASA irá explorar em breve pelo menos um mundo de gelo, embora dentro dos limites do sistema solar: sua sonda Europa Clipper está programada para ser lançada em direção ao sistema joviano em 2024 e chegar seis anos depois.

Ilustração artística da espaçonave Europa Clipper da NASA voando sobre a lua gelada de Júpiter, Europa. (Crédito da imagem: NASA/JPL-Caltech)

Abel Méndez, diretor do Laboratório de Habitabilidade Planetária da Universidade de Porto Rico, não esteve envolvido na nova pesquisa, mas comentou sobre as implicações de suas descobertas.

“A perspectiva de oceanos escondidos sob mantos de gelo expande o potencial de nossa galáxia para mundos mais habitáveis”, disse Méndez. “O maior desafio é encontrar maneiras de detectar esses habitats por futuros telescópios.”

A pesquisa da equipe foi publicada recentemente na revista Nature e será apresentada por Ojha na conferência de geoquímica Goldschmidt em Lyon, na França, que será realizada de domingo (9 de julho) a (14 de julho).

Concepção artística do Grande Lago de Europa, cortesia da NASA.

2 thoughts on “Boas notícias para a caça à vida alienígena: oceanos sob o gelo podem ser comuns em exoplanetas gelados

  1. O interessante é que a vida alienígena pode se desenvolver em ambientes tão diferentes dos nossos, quando mais a humanidade aprofunda seus estudos sobre a habitabilidade mais diferentes são as propostas do que esperamos, que culturalmente que é homenzinhos verdes cabeçudos de olhos grandes e pretos, sendo que os padrões disso são imprevisíveis já que pode ser como nós ou totalmente diferente como a maça amorfa de vida baseada em silício demonstrada na série Star Trek, então não esperem vida extraterrestre compreensível pois ela provavelmente irá diferir tanto de nós que nós vamos nos assustar a ponto de enlouquecer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *