Bases de DNA e RNA, blocos de construção “desaparecidos” da vida na Terra, encontrados em meteoritos

Busca pela vida Ciência

As nucleobases essenciais ausentes citosina e timina foram encontradas em meteoritos pela primeira vez.

Muito antes de uma rocha espacial trazer a morte em uma escala sem precedentes para os dinossauros, contrapartes menores semearam o mundo com os materiais para criar vida. Na década de 1960, foi demonstrado que os meteoritos continham algumas, mas não todas, as nucleobases das quais o DNA e o RNA se formaram. Agora, a descoberta das nucleobases que faltavam nos meteoritos reforça o caso de que a química necessária para tornar a vida possível, veio dos céus.

A Terra primitiva era um lugar muito hostil, quente o suficiente às vezes para separar as moléculas necessárias para criar a vida. Isso levanta uma questão óbvia, de onde essas moléculas vieram, uma vez que o planeta era frio o suficiente para mantê-las, e asteróides e cometas são a resposta óbvia.

A ideia ganhou algum apoio quando guanina, adenina e uracil – todas as nucleobases que ajudam a formar ácidos nucléicos, incluindo DNA e RNA – foram encontradas dentro de meteoritos junto com outras cinco nucleobases. Esses produtos químicos são necessários, mas não suficientes para iniciar a vida como ela existe na Terra. Portanto, o anúncio de que as nucleobases essenciais ausentes citosina e timina foram encontradas em meteoritos pela primeira vez preenche uma grande lacuna.

Encontrar citosina e timina em meteoritos não é uma surpresa. Além da questão de como eles poderiam estar presentes na Terra quando necessário, experimentos modelando as condições no espaço sideral sugerem que ambos deveriam se formar lá. No entanto, o fracasso em realmente encontrar essas moléculas cruciais nas rochas espaciais deixou a questão incômoda de saber se havíamos perdido algo.

A citosina e a timina são ambas classificadas como nucleobases de pirimidina, formadas a partir de um único anel de nitrogênio de seis membros. No entanto, o mesmo acontece com o uracilo, que já havia sido encontrado em meteoritos anteriormente. O principal autor, Professor Yasuhiro Oba, da Universidade de Hokkaido, e os co-autores já encontraram todos os três nos meteoritos Murchison, Murray e Tagish Lake. As mesmas amostras também incluem isômeros estruturais (moléculas com os mesmos átomos, mas arranjados de forma diferente) das nucleobases de pirimidina.

Um grande pedaço do meteorito Murchison, um dos meteoritos mais importantes já encontrados.
Crédito da imagem: Basilicofresco via Wikimedia Commons, CC BY-SA 3.0

Os três meteoritos foram todos escolhidos por serem ricos em carbono e coletados logo após chegarem do espaço. O meteorito Murchison tem sido uma felicidade especial para os cientistas, com 96 aminoácidos diferentes encontrados nele anteriormente. No entanto, apesar da intensidade do estudo a que foi submetido, a citosina e a timina não havian sido detectadas até então, possivelmente porque os métodos de extração mais severos usados por pesquisadores anteriores destruíram as moléculas mais delicadas.

Dois fragmentos do meteorito Murchison produziram concentrações de nucleobases que variaram por um fator de 10, indicando que também vale a pena continuar procurando se a primeira amostra de um meteorito promissor não tiver as moléculas que você procura.

A equipe de Oba demonstrou anteriormente que essas nucleobases podem se formar a partir de gelos de água, monóxido de carbono, metanol e amônia nas condições existentes entre as estrelas. No entanto, se foi de onde eles realmente vieram, é apenas uma suposição nesta fase.

Se as moléculas para a vida vierem do espaço sideral, outros planetas também seriam banhados por elas, aumentando as chances de vida em outras partes do universo. Essa conclusão não deve ser confundida com a hipótese muito mais exótica da panspermia, segundo a qual a própria vida veio de outro lugar para a Terra.

Conclusão

A ideia de que as moléculas para a vida vieram do espaço sideral, carregadas por meteoritos e cometas, é fascinante. Isso sugere que os ingredientes básicos para a vida podem ter sido disseminados por todo o universo, aumentando as chances de vida em outros planetas e luas. Essa hipótese é de grande importância para a astrobiologia, o estudo da existência de vida em outros lugares do cosmos.

O estudo também ressalta a complexidade da formação e preservação dessas moléculas em meteoritos. As condições hostis no espaço e durante a entrada na atmosfera da Terra podem ter impacto na detecção dessas substâncias delicadas. A descoberta das nucleobases ausentes é um marco importante para a pesquisa em astrobiologia e a busca contínua por entender nossas origens cósmicas.

O estudo foi publicado na Nature Communications.


1 thought on “Bases de DNA e RNA, blocos de construção “desaparecidos” da vida na Terra, encontrados em meteoritos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *