A mineração lunar ganha impulso à medida que empresas privadas planejam uma economia lunar.

Artemis Indústria Espacial

“Isso agora está se tornando tão real.”

O ritmo está acelerando para o uso da lua da Terra como local de pouso, moradia e exploração em um futuro próximo.

Enquanto o Programa Artemis da NASA avança, também avançam os planos de longo prazo de pequenas e grandes empresas, academias e agências espaciais internacionais.

Isso ficou evidente na vigésima terceira reunião do Space Resources Roundtable, realizada aqui no mês passado na Colorado School of Mines. Um recorde de aproximadamente 250 participantes discutiram modelos econômicos lunares, resultados de testes em laboratório e questões legais e políticas. Vários grupos empreendedores compartilharam suas estratégias para transformar a lua em um mundo movimentado de serviços comercializáveis.


A chave fundamental que sustenta o uso futuro da lua é denominada utilização de recursos in-situ ou do logal, ISRU (do inglês “in-situ resource utilization”). O ISRU envolve a extração de oxigênio, água e outros materiais disponíveis para produção de combustível de foguete e para abastecer sistemas de suporte de vida. Além disso, há a extração de metais na lua, por exemplo, para fabricar habitações lunares, plataformas de pouso e outras estruturas e produtos.

“Máquinas fora do mundo.

“Por anos, tudo isso parecia ser algo fora do alcance… fazer isso ou fazer aquilo. Agora, está se tornando cada vez mais real”, disse Angel Abbud-Madrid, diretor do Centro de Recursos Espaciais da Colorado School of Mines.

“Há também a pressão internacional para fazer isso”, disse Abbud-Madrid, “e isso vai manter o programa avançando. É a competição, essa é a realidade.”

Abbud-Madrid acrescentou que o setor privado também é uma força importante atualmente. Ele destacou o trabalho da NASA com grupos dos EUA por meio do programa Commercial Lunar Payload Services (CLPS). Essa iniciativa tem como objetivo entregar ciência e tecnologia à paisagem lunar.

Esperançosamente, essas missões do CLPS nos dirão algo sobre como lidar com a lua, disse Abbud-Madrid. Em primeiro lugar, acrescentou, é lidar com o regolito lunar, a camada empoeirada de rocha e entulho.

Aqui na Terra, o uso de simuladores que imitam o regolito lunar tem suas limitações para testes abrangentes de máquinas fora do mundo. Na lua, existem cargas eletrostáticas, radiação, muita poeira e um forte vácuo. E não se esqueça da gravidade lunar, que é apenas um sexto da gravidade da Terra.

“Vamos lá e interajamos com isso. Acho que isso será fundamental para qualquer coisa que queiramos fazer, seja extração, construção, coleta, você escolhe”, disse Abbud-Madrid.

Pensamento realista sobre viver, trabalhar, sobreviver e prosperar em outros mundos. Angel Abbud-Madrid, diretor do Centro de Recursos Espaciais da Colorado School of Mines.

Prioridades futuras:

No que diz respeito à NASA, a agência espacial tem elaborado uma visão de longo prazo para a ISRU (utilização de recursos in-situ). A agência espacial tem definido metas, objetivos e identificado lacunas de conhecimento na ciência lunar e nas tecnologias necessárias para tornar a ISRU uma realidade confiável.

Além disso, a NASA está organizando seu papel enquanto também planeja como melhor envolver a indústria e aproveitar o talento de outras indústrias não relacionadas a aeroespacial.

Durante o encontro de 6 a 9 de junho, um conjunto de “Prioridades Futuras Envisionadas” para a ISRU foi detalhado por Gerald Sanders, líder da Equipe de Liderança de Capacidade de Utilização de Recursos In-Space da NASA no Johnson Space Center, em Houston, Texas.

“A ISRU começa com os recursos mais fáceis de minerar, exigindo a infraestrutura mínima e proporcionando uso imediato local”, disse Sanders. O foco inicial está na região do polo sul lunar, mas a ISRU “evoluirá para outras localizações, minerais mais específicos, produtos mais refinados e entrega para outros destinos”.

Sanders observou que esforços estão em andamento para apoiar abordagens da ISRU, não apenas apoiando seu desenvolvimento na Terra, mas também testando-as na lua por meio de projetos-piloto. Dessa forma, técnicas e tecnologias podem ser dominadas antes que hardware crítico para missões seja enviado e instalado na superfície lunar.

Serviços lunares:

Essa é uma notícia bem-vinda para Ben Bussey, cientista-chefe da Intuitive Machines, uma empresa de serviços lunares que visa fornecer acesso à lua e à sua órbita tanto para fins científicos quanto de exploração.

A Intuitive Machines (IM) é uma participante importante na iniciativa CLPS da NASA para colocar cargas úteis na superfície lunar por meio do módulo de aterrissagem Nova-C do grupo. A viagem inaugural da sonda para o polo sul lunar está prevista para ocorrer no final do ano.

A IM também desenvolveu uma plataforma de mobilidade saltadora chamada Micro Nova. Este drone propulsor pode realizar exploração regional após ser entregue na superfície lunar. O Micro Nova é projetado para visitar locais inacessíveis a um rover, como crateras lunares profundas, para acessar rapidamente o fundo de grandes crateras de impacto, bem como adentrar regiões permanentemente sombreadas da lua

Ben Bussey, cientista-chefe da Intuitive Machines, uma empresa de serviços lunares.
A Chave para um Economia Lunar! (Confira este vídeo)

Água de gelo para a utilização de recursos in-situ (ISRU)?

Bussey é um especialista líder em água de gelo potencialmente encontrada em crateras lunares em regiões permanentemente nas sombras, como aquelas no polo sul da lua – alvos de visitas por futuras tripulações do programa Artemis da NASA.

Quanto à quantidade de água de gelo pronta para a ISRU, Bussey disse que não temos certeza se esse recurso é uma reserva atualmente.

“Reserva significa que não apenas esse recurso está presente, mas que você é capaz de extrair economicamente”, disse Bussey. Há um custo associado à prospecção dessa água, à extração e ao refinamento dela, e depois, para realmente lucrar após essas etapas, explicou ele.

Mais MOXIE!

Como prelúdio para apostar todas as fichas na ideia de abrir as torneiras para a água de gelo lunar, Bussey favorece um experimento similar ao Experimento de Utilização de Recursos In-Situ de Oxigênio de Marte, conhecido como MOXIE.

Essa demonstração de tecnologia é mais conhecida como MOXIE. Atualmente, está sendo transportada dentro do ventre do rover Perseverance da NASA, que está explorando a Cratera Jezero em Marte. O MOXIE repetidamente demonstrou sua capacidade de capturar a atmosfera marciana rica em dióxido de carbono e produzir oxigênio.

“Eu adoraria que alguém extraísse um pouco de água do regolito lunar. Mostre que você pode fazê-lo. Quão difícil é isso? Então, podemos começar a falar sobre isso como uma reserva”, disse Bussey. “Você não pode considerar o uso de ISRU como um caminho crítico até que tenha sido demonstrado”.

McMurdo na lua.

Poderia a infraestrutura na lua assumir a aparência da Estação McMurdo da Antártida? As luzes da maior estação de pesquisa da Antártida iluminam a Colina de Observação ao sul da cidade.

Extrair oxigênio do regolito lunar está na lista de tarefas de ISRU, acrescentou Bussey. Além disso, as regiões polares da lua são ricas em áreas bem iluminadas; a luz solar está disponível por grandes frações do dia lunar, que tem aproximadamente 28 dias de duração. Isso torna essas regiões mais amigáveis do que a maioria dos lugares na lua, que têm 14 dias de luz solar seguidos por 14 dias de escuridão, disse ele.


“A lua ainda é o lugar certo para ir”, disse Bussey. “Escolha um local e construa a infraestrutura, porque é assim que você garante uma base sólida.”

Bussey disse que teve a sorte de ter ido à Antártida duas vezes. Em ambas as vezes, ele passou pela Estação McMurdo administrada pelo Programa Antártico dos Estados Unidos, uma divisão da Fundação Nacional de Ciências dos EUA.

“E graças a essa infraestrutura, pude explorar a plataforma antártica e conduzir pesquisas”, disse Bussey. “Precisamos estabelecer um ‘McMurdo’ na lua … e a própria lua será o ‘McMurdo’ do sistema solar.”

Fonte: Space.com


3 thoughts on “A mineração lunar ganha impulso à medida que empresas privadas planejam uma economia lunar.

  1. It’s actually a nice and helpful piece of information. I am glad that you shared this helpful information with us. Please keep us up to date like this. Thanks for sharing.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *