A Boeing já perdeu US $ 1,1 bilhão no Starliner, sem voo de tripulação em vista

Indústria Espacial

“Ainda não estamos realmente prontos para falar sobre uma oportunidade de lançamento.”

Uma temporada difícil para o programa Starliner continuou nesta semana, com a Boeing relatando perdas adicionais no desenvolvimento da espaçonave e a NASA afirmando que é muito cedo para discutir possíveis datas de lançamento para a nave espacial tripulada.

A NASA e a Boeing estavam trabalhando para uma data de lançamento em julho da espaçonave, que levaria dois astronautas pela primeira vez. No entanto, apenas algumas semanas antes do lançamento previsto, a Boeing anunciou em 1º de junho que havia dois problemas graves com o Starliner. Um deles envolvia os “soft links” nas linhas que conectam a cápsula do Starliner aos seus paraquedas, e o segundo problema estava relacionado a centenas de metros de fita de vidro P-213 dentro da espaçonave, que foi considerada inflamável.

Na quarta-feira, como parte de sua atualização trimestral de ganhos, a Boeing anunciou que o programa Starliner registrou uma perda de US$ 257 milhões “principalmente devido aos impactos do atraso no lançamento anunciado anteriormente.” Com isso, o total de prejuízos contabilizados pela empresa no programa Starliner ultrapassou US$ 1,1 bilhão. Em parte devido a isso, a divisão Defense, Space & Security da Boeing relatou uma perda de US$ 527 milhões durante o segundo trimestre deste ano.

Como a Starliner foi financiada pela NASA por meio de um contrato de preço fixo, como parte do programa Commercial Crew, a Boeing é responsável por qualquer aumento de custos e perdas financeiras devido a atrasos.

O trabalho está avançando

Durante uma teleconferência nesta semana, os representantes da NASA também forneceram a primeira atualização substancial sobre o Starliner desde o anúncio em 1º de junho. O gerente do programa Commercial Crew da agência, Steve Stich, afirmou que o trabalho está em andamento, mas ainda há muito a ser feito.

A identificação de dois problemas graves tão próximos ao voo espacial levou a NASA a realizar uma análise mais abrangente do Starliner para determinar se pode haver outros problemas ocultos na espaçonave. “Do lado da NASA, nós realmente recuamos e examinamos todos os aspectos da preparação do voo”, disse Stich.

A NASA, a Boeing e o fornecedor dos paraquedas, Airborne, têm trabalhado na questão dos “soft links”, de acordo com Stich. As equipes de engenharia identificaram um novo tipo de junção que pode atender aos requisitos de segurança da NASA. No entanto, Stich não mencionou em que medida esses novos “soft links” foram testados em campo, nem quanto de uma campanha de testes é necessária para certificá-los para o voo.

Os técnicos também removeram painéis de dentro da espaçonave Starliner para acessar a fita inflamável. Essa fita de vidro era enrolada em torno de fiação dentro da espaçonave para protegê-la de atrito durante o voo. Stich disse que cerca de um quilo e meio de fita já foram removidas da Starliner.

“Conseguimos remover grande parte dessa fita, e esse trabalho está progredindo muito bem”, disse Stich. A NASA e a Boeing identificaram um substituto não inflamável para a fita, segundo ele.

A questão do cronograma é importante

Quando questionado se o Starliner poderia ser lançada ainda este ano, Stich não ofereceu um cronograma concreto. Ele disse: “Ainda não estamos prontos para falar sobre uma oportunidade de lançamento. Vamos resolver primeiro as questões técnicas e, em seguida, nos reuniremos com a equipe da Boeing no momento certo e definiremos uma data de lançamento.”

Essa resposta sugere que o lançamento do Starliner em um foguete Atlas V, levando os astronautas da NASA Suni Williams e Butch Wilmore em um voo de teste para a Estação Espacial Internacional, muito provavelmente será adiado para 2024.

Stich fez esses comentários na terça-feira durante uma teleconferência de imprensa para discutir a próxima missão Crew-7 na espaçonave Crew Dragon da SpaceX. Há nove anos, quando a NASA selecionou a Boeing e a SpaceX para fornecer serviços de transporte de tripulação para a estação espacial, a Boeing era considerada a favorita incontestável para ser a primeira a entregar para a NASA. No entanto, a SpaceX lançará sua sétima missão operacional e oitava missão geral de tripulação para a NASA no próximo mês.

A NASA já anunciou que a SpaceX realizará sua missão Crew-8 para a NASA em fevereiro ou março do próximo ano. Com os atrasos contínuos, é possível que a Crew-9 seja lançada no outono do próximo ano, antes da primeira missão operacional da Boeing, o Starliner-1. A NASA ainda não nomeou uma tripulação completa de quatro pessoas para a Starliner-1, mas informou que os astronautas Scott Tingle e Mike Fincke serão o comandante e o piloto.

É evidente que os atrasos contínuos no programa Starliner da Boeing são motivo de preocupação. Essa série de problemas e perdas financeiras destacam os desafios significativos enfrentados na busca de lançar com segurança uma espaçonave tripulada. A competição acirrada com a SpaceX também destaca a importância de manter o foco na inovação e na excelência técnica. A esperança é que a Boeing e a NASA possam resolver prontamente as questões pendentes e recuperar o ritmo necessário para avançar com confiança nas próximas etapas do programa Starliner. No entanto, um desligamento neste ponto da Boeing do programa Crew da NASA não seria nada mal em relação as suas finanças, em detrimento é claro, de sua imagem pública e relação de confiança com a agência.


1 thought on “A Boeing já perdeu US $ 1,1 bilhão no Starliner, sem voo de tripulação em vista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *